Escolha uma Página
Compartilhe os Colegas!

Momento tradicionalmente de tensão na vida estudantil, a apresentação do trabalho de conclusão de curso (TCC) de três alunos do curso de engenharia em uma universidade do estado de São Paulo virou caso de Justiça.

DSCF6270

Tudo começou com a checagem de uma referência bibliográfica feita por um professor da banca examinadora. Ao notar que não havia a referência na bibliografia do trabalho, o acadêmico, que também é coordenador do curso, ficou exaltado, acusou os estudantes de plágio, ofendeu-os com palavrão e deu nota zero.

Os alunos decidiram então pedir reparação por danos morais na Justiça e a sentença a favor deles foi publicada pelo Conjur. O professor e a faculdade foram condenados a pagar 25 mil reais para cada um dos três.

Segundo a sentença, os estudantes contaram que o professor teria dito, além do palavrão e da acusação de plágio de plágio: “você está preocupado com o fim de semana deles? Eu estou preocupado é comigo que deveria estar na praia e estou aqui”.

Outro ponto destacado pelos alunos foi o fato de que a nota final do trabalho havia ficado condicionada à revisão do trabalho, que deveria ser feita com base nas observações feitas pela banca examinadora. No entanto, o coordenador não fez nenhuma observação e mesmo com as mudanças no trabalho manteve a nota zero. Por isso, alegavam dano moral e pediam indenização de 30 mil reais para cada um, revisão da nota e a retratação do professor.

A universidade e o professor argumentaram que não houve dano moral e que uma posição mais enérgica, de reprimenda dos estudantes, “nem de longe deveria ser considerada ilícita ou contrária ao ordenamento jurídico”. O professor disse ainda que o clima ficou pesado como é normal em toda discussão.

Mas na decisão, o juiz da 45ª Vara Cível de São Paulo disse que não é esse o linguajar que se espera de um professor universitário e que ele não deveria ter perdido a calma como perdeu. Segundo o juiz, em sua decisão, o professor teve mesmo a intenção de atacar os estudantes. “O caso é surreal e o dolo de lesionar é intenso, tal qual se infere da imputação – gratuita e errada – de plágio”, escreveu o juiz.

Fonte: JusBrasil

 

Estudante de Direito, aproveite essa oportunidade:

exame-da-ordem

Compartilhe os Colegas!
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com