Compartilhe os Colegas!
Como Obter Sucesso nos Embargos à Execução ?
5 (100%) 28 votes

 

 

 

         A parte Executória dos títulos Judiciais e Extrajudiciais causam arrepios em muitos advogados. Com certa razão, o processo de Execução possui muitos artifícios jurídicos que carecem de atenção especial e bom conhecimento do Código de Processo Civil. Uma das Ações mais comuns na área executiva é os Embargos à Execução, que serão oponíveis contra o Promovente que vem a juízo requerer o cumprimento de um Obrigação com fundamento em um título executivo. O sucesso nessa Ação depende de um modelo muito bem elaborado e completo que será devidamente explorado na 4ª Edição do E-Book MANUAL PRÁTICO DO NOVO CPC que trará todas as minucias desse processo tão comum na prática forense.

 

          O processo de execução foi pensado para não adentrar na cognição quanto ao Direito Material, uma vez que presume-se sua discussão e certeza em procedimento anterior. Há, portanto, boa dose de certeza — conferida por lei ou construída em fase de conhecimento anterior —, que pavimenta caminho voltado para a realização daquele direito já reconhecido.

 

         Essa certeza não inibe o contraditório do executado, que ainda pode reunir elementos capazes de fazer óbice a essa efetivação. A defesa do executado não pode ser feita no processo de execução, mas sim em processo autônomo, incidente sobre o curso da execução, que são os embargos à execução. Mediante este processo o executado poderá defender-se, trazendo à tona possíveis aspectos viciados que torne defeituoso o título apresentado, bem como contrariar possível alteração no tocante ao crédito exigido, que seria o conhecido Excesso de Execução. Sem mais delongas, vejamos a dicção do Artigo 914 do CPC:

Art. 914.  O executado, independentemente de penhora, depósito ou caução, poderá se opor à execução por meio de embargos.

 

1 – Os embargos à execução serão distribuídos por dependência, autuados em apartado e instruídos com cópias das peças processuais relevantes, que poderão ser declaradas autênticas pelo próprio advogado, sob sua responsabilidade pessoal.

 

2 – Na execução por carta, os embargos serão oferecidos no juízo deprecante ou no juízo deprecado, mas a competência para julgá-los é do juízo deprecante, salvo se versarem unicamente sobre vícios ou defeitos da penhora, da avaliação ou da alienação dos bens efetuadas no juízo deprecado.

 

 

         O caput no dispositivo nos premia com a Ampla Defesa à medida que, permite a oposição dos Embargos independentemente da apresentação de qualquer espécie de penhora, depósito ou caução, o que de certa forma dificultaria a apresentação da referida Ação. Segue o exemplo:  Imaginemos que João, pequeno comerciante, aporte em seu escritório informando-lhe foi imputado através de um título executivo extrajudicial a pagar R$ 200.000,00. Se o devedor só pudesse apresentar os Embargos com o depósito judicial deste montante, a causa estaria perdida, uma vez que em hipótese alguma, nosso amigo João, poderia conseguir R$ 200.000,00 e depositá-lo integralmente em juízo para imposição dos Embargos à Execução. Lembre-se que a Execução é o último passo antes da percepção dos honorários, de maneira que o conhecimento do processamento e modelo de exordial é condição inescusável para sucesso nos Embargos à Execução e consequentemente percepção de honorários. Reputo como essencial para formatação de seu petitório o E-book do Manual Prático do Novo CPC.

 

         Em que pese a garantia do juízo não seja requisito para a admissibilidade dos embargos à execução, é condição para a concessão do efeito suspensivo da execução, somada a exposição de fundamento relevante e de receio de dano irreparável, com fundamento no Artigo 919, §1º do CPC que preleciona que “O juiz poderá, a requerimento do embargante, atribuir efeito suspensivo aos embargos quando verificados os requisitos para a concessão da tutela provisória e desde que a execução já esteja garantida por penhora, depósito ou caução suficientes.”

 

         A Competência para o julgamento dos embargos à execução será sempre do juízo no qual o promovido adentrou com a Ação de Execução do Título. Todavia, existem hipóteses que se faz necessário o envio de carta precatória e, embora os embargos possam ser opostos tanto juízo deprecante quanto no deprecado, é salutar entender a quem compete o julgamento da matéria para não correr o risco da apresentação dos Embargos de seu cliente no juízo incompetente, vejamos:

 

a) Juízo deprecante: julgará os embargos à execução sempre que versarem vícios sobre o título executivo ou questões relacionadas à obrigação em si.

 

b) Juízo deprecado: julgará os embargos à execução quando versarem única e exclusivamente sobre vícios em atos praticados pelo próprio juízo como a citação irregular.

 

 

Destarte, as matérias que o devedor poder alegar em sede Embargos à Execução encontram-se prelecionadas no Artigo 919 do CPC:

Art. 917.  Nos embargos à execução, o executado poderá alegar:

 

I – inexequibilidade do título ou inexigibilidade da obrigação;
II – penhora incorreta ou avaliação errônea;
III – excesso de execução ou cumulação indevida de execuções;
IV – retenção por benfeitorias necessárias ou úteis, nos casos de execução para entrega de coisa certa;
V – incompetência absoluta ou relativa do juízo da execução;
VI – qualquer matéria que lhe seria lícito deduzir como defesa em processo de conhecimento.

 

 

        Terá o devedor 15 dias úteis para oposição dos embargos à execução. Não se pode olvidar que “quando houver mais de um executado, o prazo para cada um deles embargar conta-se a partir da juntada do respectivo comprovante da citação, salvo no caso de cônjuges ou de companheiros, quando será contado a partir da juntada do último.” Na forma do Artigo 916, CC, se  no prazo para embargos, reconhecendo o crédito do exequente e comprovando o depósito de trinta por cento do valor em execução, acrescido de custas e de honorários de advogado, o executado poderá requerer que lhe seja permitido pagar o restante em até 6 (seis) parcelas mensais, acrescidas de correção monetária e de juros de um por cento ao mês.”, tratando-se portanto de nítida possibilidade parcelamento condicionada ao binômio de Reconhecimento do Crédito e depósito do montante de 30%.

 

        Na forma dos Artigos 919 e 920 do CPC, o juiz poderá rejeitar liminarmente os Embargos quando este forem intempestivos, no caso de indeferimento da petição inicial e de improcedência liminar do pedido ou quando forem manifestamente protelatórios. Uma vez recebidos o exequente será ouvido no prazo de 15 dias e a seguir, o juiz julgará imediatamente o pedido e designará audiência. Após esse trâmite, o juiz proferirá Sentença

 

       Um bom advogado deve dominar bem a sistemática dos Embargos à Execução para obter sucesso diante das execuções, que é o passo mais próximo da colheita dos Honorários. Para tanto, bons Embargos à execução  carecem de um Guia ideal, que poderá ser encontrado na 4ª Edição do E-Book MANUAL PRÁTICO DO NOVO CPC onde de forma muito didática você encontrará o modelo dos Embargos à Execução e muitas outras Ações que lhe levarão ao Topo da Advocacia.

 

Gostaríamos de ver seus comentários. Estamos trabalhando para trazer conteúdos de alto valor, mas para isso precisamos que cada um de nossos leitores se dediquem também a poder inserir opiniões, comentários, desejos e assim por diante, afinal, VOCÊ É IMPORTANTE PARA NÓS!

NOTA: O Presente conteúdo/artigo acima publicado é de autoria e utilização exclusiva do Portal Carreira do Advogado, não estando autorizado sua replicação em outros websites. O Conteúdo é inserido aqui

 

 

Compartilhe os Colegas!
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com

Deseja receber agora um Modelo de Contrato de Honorários de acordo com a reforma?

 

Esse Contrato de Honorários pode te resguardar de qualquer problema com seu cliente na área Trabalhista. Clique aqui e solicite o seu agora!

Cadastro efetuado com sucesso. Enviaremos o contrato em até 5 minutos para o seu e-mail.